8 de abril de 2014

E com preguicinha de um feriado delicioso que venho parabenizar Cuiabá, de um jeito muito particular, pra quem ainda não conhece a minha cidade querida, hoje quero falar da minha experiência como parte de uma sociedade cuiabana.

Em meados dos anos 80 meus pais vieram pra Cuiabá. Papai de Minas Gerais, mamãe do Paraná, como muitos outros imigrantes (leia-se “pau rodado“). Eu nasci aqui, apesar de não parecer, rs. A nova geração de cuiabanos não tem sotaque, exceto alguns amigos de famílias tradicionais (leia-se “cuiabano de chapa e cruz“).

Quando aqui chegaram, meus pais contam que Cuiabá era um lugar inóspito (leia-se fim do mundo!). Tudo demorou mais a chegar aqui, afinal, estamos no centro do mapa. Pelo mesmo motivo, nossas riquezas foram mais preservadas do que as do restante do país e não demorou para que os imigrantes do Sul e Sudeste descobrissem que aqui fariam fortuna, e assim fizeram.

Cuiabá já foi uma cidade atrasada, não é mais. Muitos brasileiros ainda acreditam que podem ver uma onça pintada atravessando a rua por aqui… Na verdade até podem ver, e se virem acenem, sou eu e minhas amigas, rs. Que absurdo né, gente?! Ahhh, e vamos esclarecer aqui que Cuiabá é a capital do Mato-Grosso. Nem do Sul, nem do Norte, é só Mato-Grosso. Ufa! Obrigada.

O progresso chegou por aqui, sim! Meio aos trancos e barrancos, ainda está em fase de obras, mas ele veio. As obras da Copa estão enlouquecendo os moradores, fato. E eu sugiro que se você deseja conhecer Cuiabá, venha só depois dos jogos, ok?

O que melhorou por aqui? As pessoas tem aprendido a aproveitar todas as formas de lazer, porque reivindicaram por uma cidade mais diversificada e investiram no público, acreditaram no potencial da população. Teatro, música, cinema, exposições, gastronomia, feiras ao ar livre, baladas e muitas outras programações já proporcionam hoje um leque de opções para todo o tipo de gosto, e de bom gosto, diga-se de passagem.

Na moda ainda temos muito o que evoluir, mas já temos ótimas iniciativas de gente de conteúdo e criatividade nata. Marcas bacanas vem chegando de mansinho, descobrindo o grande potencial das nossas consumidoras, que são lindas!

Cuiabanos muitas vezes reclamam daqui, dizem que adorariam morar em São Paulo, ou no Rio de Janeiro (era uma tradição mandar os filhos estudarem no Rio), que as pessoas são “alcoviteiras” (leia-se “língua de Matilde“), que cuidam das vidas alheias, ora, em Cuiabá ninguém é anônimo! Mas a verdade é que ninguém se sente tão em casa e tão à vontade como aqui. Por que Cuiabá é festa, é gente bonita, é turma boa! É uma cidade grande onde todos se conhecem, ou já ouviram falar uns dos outros. Cuiabano é celebridade, ele chega na festa e cumprimenta todo mundo, conhece do dono do estabelecimento ao flanelinha que cuida dos carros, e chama pelo nome!

Aqui é assim, não tem moagem, ou como dizem os tradicionais, larga de moádge!

E do nosso jeito somos felizes, somos acolhedores! Precisando de amigos, pode vir, Cuiabá não rejeita ninguém, te recebe em casa, onde você senta na mesa e come a melhor parte do peixe. Cuiabá não é perfeita, mas é linda, e nós amamos demax!

Parabéns Cuiabá, prometemos ter paciência com você. Que seus próximos 295 anos sejam ainda mais felizes, que suas obras se concretizem e que seus cidadãos te valorizem.

A gente te ama, Cuyaba sua linda!